O que é um fatiador?

Com impressoras 3D fica possível criar objetos complexos de forma simples. Você precisa ter o modelo em 3D, de preferência em STL, mas OBJ também é compatível com a maioria dos programas. O fatiador vai pegar esse desenho e literalmente, cortar em diversas partes menores conhecidas como camadas. Essas camadas são descritas por códigos que a impressora interpreta e executa os comandos.

Código G
Do inglês gcode, é o nome da linguagem de programação criada para maquinários industriais que usavam o sistema de Comando Numérico Computadorizado (CNC).

Antes dessa padronização, cada fabricante de máquinas CNC usava sua própria linguagem. Imagine só para o profissional, quando a empresa em ele que trabalhava trocava de equipamento, para alguma outra marca completamente diferente! Ele tinha que aprender uma nova linguagem para poder usar a CNC. Claro que essa não era a única desvantagem. Por exemplo, os fabricantes deveriam se preocupar com os códigos a serem usados, além de pensar no equipamento em si.

Image 28

O código G é extremamente simples, tratando de linhas sequenciais de instruções, onde cada linha é responsável por uma tarefa. Pode ser movimentação dos eixos X, Y ou Z, ou o uso da ferramenta, que no caso das impressoras 3D é o bico e a mesa.

Os fatiadores
Também conhecidos em inglês por Slicer, são softwares usados na maioria dos processos de impressão 3D. São responsáveis em transformar desenhos tridimensionais, normalmente STL ou OBJ em códigos G que fornecem à impressora orientações de movimentação, temperatura do bico ou da mesa.

Imagina só como seria complicado escrever linha por linha do código que descreve essa coruja?

coruja

Pensando nisso, foram criados softwares capazes de reconhecer as malhas do arquivo e determinar coordenadas. Facilitando muito o nosso trabalho!

Código G das impressoras 3D
No geral, os códigos usados nas impressoras 3D não diferem muito das usadas em outras CNCs. Vamos explicar alguns comandos.

M190 S110 – Aquece a mesa em 110 ºC e só muda para o próximo comando quando a temperatura for alcançada. Existe um outro comando para aquecer a mesa, que é o M140, mas esse comando não espera alcançar a temperatura e já passa para os próximos.

M109 S235 – Aquece o bico em 235 ºC e parecido com o comando acima, esse espera alcançar a temperatura antes de mudar para o próximo comando. Existe também o M104 que não espera a temperatura ser alcançada.

G28 – Esse comando faz  o reconhecimento dos pontos zeros dos eixos X, Y e Z. Depois, realiza a rotina de nivelamento automático.

G1 – Comando referente à movimentação dos eixos. Normalmente está acompanhado de outras informações, como G1 X100 Y25 F3600. Em que X100 e Y25 são referentes às coordenadas 100 e 25 e F3600 é a velocidade em milímetros por minuto (mm/min).

Se quiser saber um pouco mais, existe um site com diversos gcodes e suas explicações. O link para acessar é esse:
https://reprap.org/wiki/G-code

Recursos do fatiador
Os fatiadores modernos vão muito além de apenas posicionar ou aquecer alguma coisa. É possível controlar praticamente qualquer parte da impressão.

Você pode controlar o preenchimento tanto a porcentagem quanto o tipo. Dependendo do software usado, há diversos tipos. Desde os mais simples, como os retangulares e triangulares, quanto os do tipo colmeia ou giroides.  Com essas opções, você pode trabalhar na resistência da peça que vai ser impressa, alinhando com o tempo e a quantidade de material gasto.

Na imagem abaixo podemos ver alguns dos tipos de preenchimento disponíveis. Cada um pode ter uma aplicação diferente na impressão. Sendo os dois primeiros os mais comuns.Preenchimentos

Outro recurso muito usado são os suportes que são estruturas análogas aos andaimes de uma construção civil. Certas angulações ficariam suspensas no ar, e por gravidade simplesmente desmoronariam. Os suportes bem configurados permitem uma impressão de qualidade. Os fatiadores modernos fornecem várias opções, como camadas de separação (já que o material vai grudar e pode ser difícil de tirar), preenchimento do suporte, tipo do suporte (algo parecido com o preenchimento da impressão).

No exemplo a seguir, temos o Cristo Redentor. Para a impressão desse modelo, torna-se necessário o uso de estruturas de suporte nos braços e no queixo, ou simplesmente o plástico desmoronaria durante a impressão por efeito da gravidade. Sabendo disso, você pode usar recursos presentes nos fatiadores. Na imagem, temos o Simplify3D.

cristo suportes

STL disponível em: https://www.thingiverse.com/thing:21808

Os recursos auxiliares, como brim, skirt, raft também possuem opções nos fatiadores modernos. Você pode escolher a velocidade em que essas partes serão impressas, pode escolher a quantidade de linhas, largura ou fluxo usado.

Nas duas imagens acima, dos cubos e do Cristo Redentor, podemos ver um contorno roxo nos modelos. Esse contorno seria o brim.

Muitos outros recursos podem ser usados e configurados.

Alguns exemplos
Existem diversos softwares fatiadores. A seguir estão os mais populares:

  • Simplify3D
  • Cura
  • Slic3r
  • Pathio

Etc etc etc

Treinamentos
Você já conhece nossos treinamentos sobre o Simplify3D e o Cura? Se não conhece, clique na imagem para ser redirecionado!

simplify3d     cura

Siga a Sethi3D nas redes sociais: Facebook | Instagram

Acesse nossa loja e conheça nossas impressoras 3D, filamentos, acessórios e muito mais!

Sethi3D
Imagine, Faça!